Guia de Decisão de Software para "Core Tools"

Os fornecedores da indústria automotiva, independente do tamanho e o nível na cadeia de suprimento, deve cumprir uma série de requisitos tão rigorosos que resultam em um nível sem precedentes de qualidade, segurança e confiabilidade dos automóveis de hoje.

As normas de qualidade são definidas pela IATF 16949, conjuntamente com as "Core Tools" da AIAG, requisitos específicos do fabricante, requisitos VDA e outros padrões que estabelecem os requisitos para os processos de aprovações e de submissão para cada componente antes de serem montados nos veículos.

Apesar da complexidade e da difícil e árdua tarefa de cumprir essas exigências, três a cada quatro fornecedores norte-americanos ainda gerenciam seus processos de qualidade com planilhas e processadores de texto, que exigem muita mão de obra, são dispendiosos e podem gerar inúmeros erros e não conformidades.

Se você acredita que sua empresa pode se beneficiar de um software desenvolvido especificamente para gerar e gerenciar as necessidades da indústria automotiva, aqui está um guia baseado em alguns elementos-chave que irão ajudá-lo em seu processo de decisão.

  • 1.Cumprimento as "Core Tools" da AIAG"
  • 2.Abordagem por Documentos ou Conteúdo
  • 3.Consistência de Dados
  • 4.Ganhos de Produtividade
  • 5.Retroalimentação das "Core Tools" durante o ciclo de vida do produto
  • 6.Planejamento e Controle da realização das "Core Tools"
  • 7.Estratégia de Implementação
  • 8.Web ou Aplicação Windows
  • 9.Investimento e Retorno do Investimento
Cumprimento as "Core Tools"

Todos os principais requisitos dos manuais das "Core Tools" devem ser cumpridos. Aqui está uma lista detalhada destes requisitos:

  • Planejamento do APQP com a identificação do Caminho Crítico
  • Comprometimento de Viabilidade da Equipe
  • FMEA de Projeto (incluindo todos os formatos, conforme o Manual de Referência da FMEA - Apêndice A)
  • DVP&R - Plano e Relatório de Verificação do Projeto
  • Quality Planning Checklists (APQP Manual Appendix A)
  • Diagrama de Fluxo de Processo
  • Matriz de Características
  • FMEA de Processo (incluindo todos os formatos segundo o Manual de FMEA Apêndice A)
  • Plano de Controle (Protótipo, Pré lançamento e Produção)
  • Instruções do Operador
  • Projeto de Experimentos -DOE
  • A Prova Erro
  • Desdobramento da Função Qualidade – QFD
  • MSA – Tendência, Estabilidade, Linearidade, R&R por Variáveis (incluindo ANOVA) e R&R por Atributos
  • CEP – Estabilidade, Avaliação da Distribuição.
  • Resultados Dimensional, Material e Desempenho (Manual do PPAP)
  • Relatório de Aprovação de Aparência
  • PSW - Certificado de Submissão de Peça
  • Estrutura do Produto (BOM)
  • Requisitos Específicos do Cliente
  • Outros documentos de suporte

O software deveria oferecer a opção de anexar e gerir documentos externos para dar cobertura aos requisitos não contemplados pelo software. Por exemplo, requisitos específicos do cliente.

Sistema Baseado em Documento ou Conteúdo

Os sistemas baseados em documentos melhoram o fluxo de trabalho e a produção de documentos, mas não fazem nada para garantir a consistência do conteúdo, o que impõe a necessidade das equipes multifuncionais manterem e verificarem a consistência manualmente do conteúdo. Exemplos típicos desta abordagem são sistemas baseado em planilha MS-Excel ou em serviço da Web baseado em modelos. Os requisitos são desenvolvidos com base em modelos definidos. Esses modelos podem ser fornecidos por um consultor, vendidos como um serviço da Web ou pode ser desenvolvido internamente. Esses sistemas dependem dos usuários para manter a informação consistente e requerem um dispêndio intensivo em tempo e mão de obra. Por exemplo, se uma informação, o nome da peça é usado em 20 documentos, os usuários devem digitar essa informação 20 vezes.

Os sistemas baseados em conteúdo possuem um banco de dados em segundo plano. Os dados são registrados em formulários específicos e o aplicativo formata os dados de acordo com os requisitos especificados. Esses sistemas abordam o fluxo de trabalho e a consistência dos dados compartilhando-os entre diferentes documentos. A gestão das alterações do produto / processo é muito mais eficaz e simples. Por exemplo, se uma especificação foi alterada, o usuário atualiza os dados de uma característica do produto, e a nova especificação é atualizada automaticamente onde quer que seja usado. O compartilhamento inteligente dos dados também restringe as alterações em documentos já aprovados e cria automaticamente a rastreabilidade dos dados. Os ganhos de produtividade em relação ao sistema baseado em documentos são significativos. Além disso, esses sistemas orientam os usuários e oferecem várias funções de suporte que resultam em documentos mais robustos e de aparência profissional.

Consistência dos Dados

Todos os requisitos das "Core Tools" compartilham informações da peça. Por exemplo, o nome da peça, o número da peça, a revisão, o cliente e outras informações aparecem em cada documento. Algumas informações como Características e Operações também são compartilhadas entre certos requisitos. Por exemplo, a FMEA de Processo, Plano de Controle e Instruções de Trabalho possuem as características e operações como fonte de informação. E também há vínculos de consistência muito específicos. Os vínculos entre os controles atuais do PFMEA e o método de controle do Plano de Controle são um bom exemplo.

Os sistemas não integrados e a maioria dos sistemas baseados em documentos não abordam esses requisitos de consistência. Eles dependem exclusivamente dos usuários para manter a informação consistente entre diferentes documentos. E a consistência entre vários documentos é particularmente complexa e pode levar tempo e potencialmente gerar inconsistências que podem fazer com que as não conformidades se acumulem rapidamente.

Os sistemas integrados e baseados em conteúdo dependem de funções de banco de dados para garantir a consistência entre todos os requisitos, independentemente do preenchimento do usuário. O compartilhamento inteligente de dados resulta em consistência de dados e ganhos de produtividade com base no conceito de preenchimento de dados já que o usuário nunca entra na mesma informação mais de uma vez.


Ganhos de Produtividade

A criação e manutenção de todos os requisitos das "Core Tools" requer muito tempo. Existem muitos requisitos e estes demandam um trabalho intenso das equipes multifuncionais envolvidas nessas tarefas. E, além disso, os sistemas baseados em documentos são dificultados por tarefas típicas relacionadas a documentos, tal como encontrar arquivos em um servidor, abrir esses arquivos, salvar arquivos em pastas do servidor, imprimir ou gerar arquivos PDF e várias outras tarefas. E, se não houver compartilhamento de conteúdo, há também o tempo necessário para encontrar e atualizar informações específicas em cada documento.

Os sistemas baseados em conteúdo geralmente oferecem ganhos de produtividade que podem chegar até 90%, dependendo da tarefa que está sendo executada. Por exemplo, no ISOQualitas.PLM leva menos de 1 minuto para criar novas revisões de um produto com todos os documentos das "Core Tools"e atualização de todos os requisitos após uma alteração de uma especificação. Outros sistemas específicos de "Core Tools" podem oferecer ganhos de produtividade semelhantes. Se você considerar todo o tempo economizado, o retorno sobre o investimento do software é rápido e garantido.

A capacidade de se reutilizar as informações também é muito importante. Quando um novo produto, similar a um produto já existente, deve ser desenvolvido, o software de "Core Tools" deve permitir a cópia de dados existentes para o novo produto. Esse processo deve ser muito simples e a rastreabilidade deve ser registrada automaticamente.

Finalmente, o aplicativo deve abordar essas atividades que demandam muito tempo e oferecer melhores maneiras de realizar os mesmos resultados com maior eficiência e eficácia. Por exemplo, para adicionar todas as características dimensionais ao Relatório de teste dimensional ou para exportar todos os requisitos PPAP para arquivos PDF com apenas um clique do mouse.

Além das "Core Tools"

As atividades de engenharia da qualidade, manufatura e produção não terminam com a submissão do PPAP. A fase mais importante no ciclo de vida de um produto é a fase de produção. No entanto, as informações desenvolvidas durante o desenvolvimento do APQP são os subsídios principais para o controle da produção. Desta forma, após a conclusão do desenvolvimento, o CEP, instruções de trabalho, registros de inspeção, inspeções de layout e outras atividades continuam a ser aplicáveis à produção. Além disso, as ações corretivas e preventivas de não conformidades fornecem o feedback aos novos desenvolvimentos. Um sistema que aborda as "Core Tools" deve estar integrado ao MES (Manufacturing Execution System), Gerenciamento de Não Conformidades e ERP, ou fornecer ferramentas para gerenciar a produção, para garantir que esta continue a seguir as mesmas definições aprovadas na submissão PPAP.

Planejamento das "Core Tools"

Um desenvolvimento típico de APQP / PPAP envolve vários membros de uma equipe multifuncional com várias tarefas atribuídas. Algumas dessas tarefas dependem de outras e deve haver datas de destino definidas para cumprir a data de envio PPAP definida pelo cliente. Normalmente, as empresas têm vários desenvolvimentos simultâneos, portanto, gerenciar essas tarefas pode ser muito difícil.

Um software de "Core Tools" deve fornecer as ferramentas apropriadas para o planejamento de atividades. Normalmente, um diagrama de Gantt também é usado para visualizar as atividades planejadas com responsabilidades definidas, as datas alvo e a situação do progresso. Com base nas atividades planejadas, um software de "Core Tools" deve fornecer notificações automáticas e alertas via e-mail para ajudar os usuários a completar suas tarefas dentro do planejamento estabelecido.

Um software de "Core Tools", além do planejamento do projeto propriamente dito, existem outras atividades que também têm prazos e responsáveis, tais como as ações recomendadas da FMEA, datas de inspeção de layout, ações de tratamento de não conformidade e o processo de solução de problemas 8D. Estes devem ser gerenciados da mesma forma com notificações e alertas via e-mail.

Finalmente, o gerenciamento deve ser capaz de listar e permitir consultas de todas as atividades planejadas para ajudar a identificar potenciais problemas e abordar aqueles com uma abordagem preventiva para garantir que as datas alvo do cliente sejam atendidas.

Estratégia de Implementação

A adoção de qualquer software relacionado a qualquer atividade requer mudanças. As maiores mudanças devem ser sobre os procedimentos atuais que acabam sendo mais demorados e difíceis durante a implementação. Se o novo software possui uma interface amigável ao usuário e possui ajuda em tempo real, é necessário menos treinamento e o usuário se adapta rapidamente aos novos procedimentos.

Um software de "Core Tools" deve ser fácil de se utilizar por usuários que já são familiares aos conceitos teóricos de "Core Tools". Eles não deveriam ter que aprender maneiras completamente novas de fazer o que eles já fazem. Qualquer software que requer mais do que algumas horas para que os usuários sejam proficientes, pode gerar problemas na sua adesão.

Normalmente, os sistemas baseados em documentos são fáceis de implementar porque eles não mudam muito a maneira de como os documentos são criados. No entanto, essa vantagem é perdida pela falta de produtividade que oferecem esses softwares.

O sistema baseado em conteúdo exigirá mais mudanças, no entanto, se eles tiverem uma boa interface de usuário, eles serão mais fáceis de aprender e os ganhos de produtividade recompensarão rapidamente os usuários pela sua nova maneira de alcançar os resultados.

O suporte técnico, treinamento, atualizações e outros serviços fornecidos pelo seu fornecedor do sistema devem ser altamente considerados. O histórico dos desenvolvedores de software é um ótimo ponto de partida. As avaliações dos clientes atuais são outra fonte que deve ser considerada na sua tomada de decisão.

Aplicação na Web ou MS-Windows

Pelo ponto de vista do pessoal de TI, os sistemas hospedados na Web são muito mais fáceis de implantar porque não requerem instalação em estações de trabalho e geralmente não dependem do sistema operacional ou do hardware do dispositivo. Além disso, um sistema web pode ser acessado a partir de qualquer lugar, oferecendo às organizações multi plantas o poder de facilitar a compartilhamento de informações em nível corporativo. No entanto, para sistemas de processamento intensivo, sendo um aplicativo altamente responsivo que precisa de funcionalidades completas no cliente, as aplicações MS-Windows são uma alternativa viável. Além disso, é importante considerar o acesso ao banco de dados. A maioria dos aplicativos na Web gerencia o banco de dados armazenado nos servidores do provedor de aplicativos. Se você decidir mudar para um novo sistema ou se integrar com outros aplicativos que funcionam localmente nos servidores da empresa, isso pode resultar na perda de informações.

Um software de "Core Tools" muitas vezes requer uma interface de usuário responsiva e sofisticada que é executada no próprio computador, mas está vinculada a outros componentes que executam processamento de "back-end" tais como banco de dados ou serviços de impressão de relatórios. Esta é uma situação típica em que as aplicações no MS-Windows podem fornecer melhores resultados do que as aplicações web.

A combinação das principais vantagens das aplicações Web com as aplicações do MS-Windows seria a solução perfeita. Se a solução que você está considerando é baseada na Web, verifique o quanto o banco de dados está disponível fora do aplicativo. Se a solução estiver baseada no MS-Windows em desktop, verifique se o banco de dados pode ser compartilhado entre diferentes plantas (se isso se aplica à sua organização).

Uma ótima solução é ter um aplicativo do MS-Windows, mas ter o banco de dados na nuvem. Hoje, a Microsoft oferece uma série de serviços na Web através da sua plataforma Azure. A combinação de um aplicativo do MS-Windows com um banco de dados Azure permite um ótimo desempenho e uma interface de usuário rica e de fácil compartilhamento entre diferentes locais. Além disso, neste ambiente você possui o seu próprio banco de dados. A qualquer momento, você pode integrar facilmente o banco de dados com outros aplicativos e se você decidir mudar para outro sistema, não perderá as informações armazenadas.

A conclusão mais importante sobre este assunto é que os próprios usuários devem ter a palavra final com base nas funções e requisitos que eles precisam.

Investimento e Retorno

Analise cuidadosamente as ferramentas de produtividade que o seu software de "Core Tools" oferece. Em alguns casos, apenas os ganhos de produtividade pagarão pelo software. Se você se compara aos sistemas baseados em planilhas MS-Excel, você pode se beneficiar, adotando uma solução dedicada. Como exemplo, a ISOQualitas desenvolveu uma calculadora de produtividade que compara algumas tarefas comuns e os ganhos de tempo que o software oferece. Convertendo esses tempos com base nos salários da equipe multifuncional, é possível ver que o investimento é muito menor do que os ganhos obtidos.

O licenciamento mais rentável e vantajoso é o modelo de arrendamento de licenças concorrentes (SaaS - Software as a Service). Onde as licenças adquiridas limitam o total de usuários que podem executar o software simultaneamente.

É importante não esquecer os custos de treinamento, atualizações, personalização e suporte técnico. Dependendo do quão complexo seja o sistema, o treinamento e a personalização podem ser superiores ao próprio software. Além disso, o treinamento deve ser fornecido regularmente, uma vez que os usuários podem mudar de função dentro da organização, além da rotatividade dos funcionários.

Continuar lendo
162 Acessos
0 comentários
Destaque

O porque nossos produtos sao os melhores do setor

O termo "O Melhor Sistema do Setor" é uma tradução livre do termo em inglês "Best of Breed System". Conforme a Tecnopedia, um sistema "Best of Breed" é aquele que é o melhor em um nicho ou categoria específica. Estes sistemas têm desempenho superior em tarefas e funções específicas do que sistemas genéricos.

Mas estes sistemas genéricos ao focalizarem em um setor específico, sua aplicação se restringe ao nicho para o qual foi desenvolvido. O ISOQualitas.PLM encaixa-se perfeitamente nesta definição quando consideramos o setor "PLM da Indústria Automotiva", onde "PLM" é a sigla para "Product Lifecycle Management", que significa "Gestão do Ciclo de Vida do Produto". Assim, o ISOQualitas.PLM é o sistema "Best of Breed" para gestão do ciclo de vida do produto de empresas do setor automotivo.Como um sistema "Best of Breed" aplica-se a funções e requisitos específicos, geralmente eles são usados em conjunto com outros sistemas, completando-se mutuamente. 

Um bom exemplo dessa abordagem são os sistemas de "ERP" (Enterprise Resourse Planning) que são usados na gestão financeira e operacional das empresas. 

Muitos destes fornecedores de ERPs têm sistemas complementares para atender a funções relacionadas à gestão. Um exemplo disso são módulos de gestão da qualidade.

Nos ERPs estes módulos são genéricos, assim, aplicam-se a qualquer tipo de empresa. Justamente essa generalidade é um problema para empresas, como as do setor automotivo, que têm que atender requisitos bem definidos e específicos deste setor. E é exatamente aí que entram os sistemas "Best of Breed". 

Eles operam simultaneamente ao ERP para permitir o atendimento total dos requisitos específicos do setor.Esta separação de fornecedores do ERP e do "Best of Breed" oferecem vantagens e desvantagens. 

A principal desvantagem é exatamente a integração de informações que são comuns aos dois sistemas. Conforme a situação, adaptações podem ser necessárias no ERP para integração com o sistema "Best Of Breed". 

Entretanto, em muitos casos, como é geralmente o caso do ISOQualitas.PLM, a falta de integração não apresenta problema pois há poucos dados que são comuns e assim é bastante fácil garantir a consistência das informações mesmo que não haja uma integração formal entre o ERP e o ISOQualitas.PLM. 

E ainda que essa integração seja necessária, pelo fato da base de dados do ISOQualitas.PLM ficar no servidor da empresa, ou seja dentro do firewall, a integração é simples, sendo necessário apenas o ajuste entre as características de cada sistema.

A principal vantagem de ter um sistema "Best of Breed" para completar outros sistemas de gestão genéricos é exatamente o foco nos requisitos do setor. 

Assim, a empresa usuária não precisa adaptar-se a funcionalidades genéricas, o que geralmente resulta em perda de qualidade das informações. Ao contrário, ao utilizar os recursos do sistema "Best of Breed", a empresa, sem dificuldade, vai atender aos requisitos específicos. 

Outras vantagens de ter sistemas independentes para funções específicas são a facilidade e rapidez de atualizações para atender a novos requisitos do setor. Estas atualizações não causam impacto em outros sistemas, facilitando a manutenção dos diferentes sistemas.

Continuar lendo
251 Acessos
0 comentários